Esplendor Brasil

Rosea Nigra

Caminhos que Levam para o Norte

Caminhos que levam para o Norte

Editora: Esplendor

Autor: EDUARDO SGANZERLA

ISBN: 9788563412034

Origem: Nacional

Ano: 2010

Edição: 2

Número de páginas: 556

Acabamento: Brochura luxo

Formato: Grande

Escrito pelo jornalista Eduardo Sganzerla, este é um romance épico sobre a história moderna do Brasil. Tendo como pano de fundo o período da ditadura militar e a Guerra do Contestado (1914-1916), conta a vida de três gerações, mostrando as paixões humanas, com lances surpreendentes e muita emoção.

 

 

O romance de Eduardo Sganzerla revela um autor maduro conduzindo com maestria uma narrativa de grande fôlego, um painel histórico com seus dramas mas, também, com suas graças e encantos. Imediatamente comparamos com Érico Veríssimo, com a alegria de constatar que, além das modas e frivolidades, há, e decerto sempre haverá, gente disposta a escrever e ler grandes romances. No caso, Caminhos que levam para o Norte é grande no tamanho, no espírito e na construção, recuperando épocas passadas com a naturalidade dos grandes narradores, e nos envolvendo também pela linguagem apurada mas clara e comunicativa. É realmente um grande romance, revelando um grande escritor.

Domingos Pellegrini Jr., escritor - Prêmio Jabuti 1977 e 2001

 

O tema do romance Caminhos que levam para o Norte é a sucessão de fatos que forjam as paixões humanas e que deixa marcas na vida que não podem ser apagadas. O livro retrata o Brasil da segunda metade do século 20. Mas se derrama para o passado e arrisca-se sobre o futuro, na busca da origem e do ideal de seus personagens. Romance em ciclos, cada capítulo é quase independente um dos outros, mas há sempre um fio condutor muito firme, a história real que os liga, tornando o enredo a cada passo surpreendente, com seus lances fortuitos, de muitas descobertas e emoções.

Ambientado nos anos 1960 e 1970, o livro conta a história da família Albuquerque, que faz fortuna a partir da exploração das madeiras nativas do Sul. Romano, empreendedor visionário e sem escrúpulos, alinhado ao regime militar de 1964, está no eixo central da narrativa. A partir dos planaltos gelados e virgens do Irani, coração de Santa Catarina, sua terra natal, conquista um lugar no topo dos negócios do país. Eleva o irmão Atílio à política maior e desbrava a Amazônia, buscando mais madeira e minérios. Essas conquistas materiais alcançadas com desmedida ambição, no entanto, não o isentam dos desencontros traiçoeiros e fugazes da vida.

A Família Albuquerque

A família Albuquerque nasce no ambiente rude de uma serraria herdada do pai de Romano, cresce e se forma em uma pequena cidade com casas de madeira e ruas barrentas, Campos de Cruzeiro, e desabrocha no Rio de Janeiro moderno e vibrante. Zilda, a mulher de Romano, dedicada e zelosa, é o anteparo entre o pai déspota e os filhos, Ricardo, Lígia e Jane, de juventudes fecundas e extravagantes.

Na propriedade de tantos pinheirais e imbuias dos Albuquerque, vive a família de Antenor Moraes, capataz humilde e cumpridor de ordens, como fora o seu pai. Sua religiosa e determinada mulher Guilhermina encaminha o filho Paulo ao seminário, onde ele se encontra com Deus e a Filosofia e descobre um “novo mundo”.

Ricardo e Paulo são como irmãos na infância, mas suas vidas tomam rumos muito diferentes. Ricardo, de caráter indomável, desconhece fronteiras. Boêmio, conflituoso e irresponsável, aventura-se com um Ford 29 pela América Latina e EUA pelo simples prazer do desafio. O “irmão” Paulo abandona a batina e se torna um combatente clandestino da ditadura militar. Mesmo assim, distantes, os dois jovens estarão ligados para sempre.

A Guerra do Cotestado

A saga das famílias de patrão e empregado tem um vínculo profundo no passado. Combateram em lados opostos na Guerra do Contestado (1912-1916), que provocou a morte de seis mil sertanejos e soldados no Planalto Catarinense. Os Moraes estavam entre os milhares de deserdados que lutavam por um pedaço de terra e uma vida digna. Os Albuquerque e demais fazendeiros, amparados pelo Exército e o poder da República, combateram e venceram os revoltosos.

Quase cem anos depois, o destino abrirá uma janela no tempo, revelando o mais íntimo e dilacerante segredo das duas famílias. Tudo, tendo como testemunha um ex-escravo, Palmiro Pereira, o mais misterioso personagem do livro, que unirá o passado ao presente, em seu desconcertante reencontro com Lígia.

Toda a trama deste romance - uma reconstituição dramática do Brasil moderno - é envolvente e intensa. Revela a cada página a rica e turbulenta trajetória da força e da paixão, do idealismo e do amor, que mudam o ser humano para sempre.

 

voltar

Confira algumas imagens do livro.

Caminhos 1
Caminhos 2
Caminhos 3
Caminhos 4
Caminhos 5
Caminhos 6
Caminhos 7
Caminhos 8
Caminhos 9