Esplendor Brasil

Rosea Nigra

Culinária Vêneta, Brasil e Itália

O povo vêneto, do Norte da Itália, representa um dos mais influentes grupos de italianos que veio para o Brasil, no século XIX. A história de suas tradições e da culinária dos imigrantes e descentes, nos dois países, é o tema deste novo projeto cultural da Esplendor. Venha fazer mais esta parceria com a gente.

 Este projeto é constituído por um livro, acompanhado de DVD, que pretende resgatar a história da cultura alimentar, os costumes relacionados à mesa e à culinária do Vêneto. Dos imigrantes e descendentes desta venerável região Norte italiana que vieram para o Brasil e da Itália atual.

O livro "ulinária Vêneta, Brasil e Itália - Passado e Presente"será escrito em português e italiano e apresentará, na mídia DVD, o modo de fazer, a cozinha e os costumes da gastronomia do Vêneto. Os aromas, sabores e ingredientes desta cozinha tão rica, através de suas receitas mais tradicionais e algumas inéditas, estarão no livro e no DVD.

O livro será dividido em quatro capítulos: 

1) Como eram os hábitos alimentares dos vênetos antes de emigrarem para o Brasil

2) Como os italianos adaptaram sua culinária de origem, numa terra estranha e inóspita e como a recriaram

3) Como é a culinária atual dos descendentes desses imigrantes no Brasil

4) Como é a culinária atual da região Norte da Itália.

 

O DVD apresentará as principais receitas, produzidas por um chef vêneto residente no Brasil de reconhecida experiência internacional.

Tudo esse conteúdo seguindo o fio da história. Acompanhando as transformações políticas, sociais, econômicas e culturais dos dois países, nestes dois últimos dois séculos. E mostrando as paixões e as mais importantes tradições e influências deste povo, no Brasil e na Itália.

 Livro - tiragem e características técnicas: edição de 2.000 exemplares; miolo: 28 x 28 cm (fechado); couché Fosco 150g/m2, Suzano, 220 páginas; 4/4 cores; costurado; capa dura: 56 x 28 cm (aberto); couché fosco 150g s/cartão; 4/0 cor; cola, dobra, laminação fosca.

DVD - tiragem de 2.000;

 

Primeira Parte

Passado na Itália e no Brasil 

Na parte inicial do livro, a linha condutora de "Culinária Vêneta, Brasil e Itália - Passado e Presente" é a história. Nesta reconstituição, durante o relato histórico, serão inseridas receitas históricas e o principal relacionado aos costumes alimentares e à mesa.

1) Na segunda metade do século XIX, a Itália (e maioria dos países europeus) vivia um período de turbulência e penúria. Na região Norte, a situação era mais grave, diante da predominância absoluta do latifúndio. Assim, o abandono da terra natal constituía uma das saídas para a crise vivida por multidões de camponeses. Partia-se para a América a fim de fugir da fome, do trabalho fatigante, do salário irrisório e do alto aluguel da terra.

Em 1873, como a Grande Depressão abateu-se sobre a Europa, aumentou muito o fluxo migratório. Os Estados Unidos, a Argentina e o Uruguai, que recebiam grandes número de imigrantes italianos, dificultaram a entrada de novos contingentes. Assim, houve uma verdadeira fuga em massa de italianos para outros países, sendo um dos principais deles o Brasil.

No período de 1875 a 1914, desembarcaram no Brasil cerca de 1,35 milhão de imigrantes vindos da Itália. Do Vêneto, Nordeste da Itália, região de grandes contrastes, onde ficam Verona, Vinceza, Pádua e Veneza, veio grande parte deste contingente.

No Norte da Itália, os camponeses viviam em pequenas aldeias - paesi. A vida aldeã ordenava importantíssimos aspectos da existência camponesa italiana. Naquela época, devido aos altos valores das terras aráveis, o espaço habitacional e produtivo concentrava-se fortemente nessas aldeias. As construções eram realizadas sobretudo em pedra.  De madrugada, os camponeses partiam para os campos, de onde só voltavam ao entardecer.

A dieta alimentar dos camponeses era muito austera. Alimentavam-se basicamente de farinha de milho cozida (uma espécie de polenta primitiva), raízes, legumes e eventuais carnes de caças. Diz a lenda que, quando uma família sentava à mesa, depois de um longo dia de trabalho, o patrone   abençoava a polenta e lançava ao ar o salame de porco que ficava pendurado no teto por um cordão, para que todos o cheirassem.

Esses imigrantes não transpuseram propriamente a cultura italiana para o Brasil. Ao contrário, recriaram uma "civilização diferente" das culturas conhecidas da terra de partida e de chegada. Isto também aconteceu no que toca aos costumes e hábitos alimentares e é o que o livro pretende mostrar.

2) No Brasil, em geral, os imigrantes foram distribuídos em lotes individuais, que lhe garantiam uma grande abundância de terras. Porém, perderam para sempre a vida no paese. Além da residência e da cozinha, o lote colonial possuía latrina, forno, cantina, chiqueiros, galinheiros, apiários, paióis, pombais, alambiques e estrebarias. Os imigrantes dedicaram-se, principalmente, às culturas do milho, feijão e da uva. 

Passaram também a cultivar hortaliças e legumes. Devido à abundância relativa de terras, as instalações erguiam-se, comumente, de forma isolada, nas terras do lote colonial.

A cozinha, principal centro de reunião familiar, especialmente no inverno, era a peça menos valorizada, no que se refere aos cuidados construtivos. O fogão - fogolare, facoler ou focolaro -, era rústico. No chão sob um quadrilátero contendo areia, acendia-se o fogo, com madeira que produzisse pouca fumaça, já que ela escapava pela cumeeira, diante da inexistência de chaminés.

As refeições, feitas na cozinha ou no campo, eram mais ou menos abundantes e variadas. Às 9 horas da manhã, servia-se o merendin - polenta grelhada com salame ou com queijo; uma fritada de ovos, com cebola ou salame; café, vinho, etc. Ao meio-dia, a polenta acompanhava uma sopa de feijão reforçada com massas. À tarde, às 16 horas, servia-se, eventualmente, uma refeição mais simples - frutas, pão, salame, polenta fina, etc.

Durante a janta, a refeição era preparada com mais cuidado. A polenta era acompanhada com carnes, molhos, salame ou queijos fritos, salada - radici, em especial. Era ali que eles comentavam as atividades realizadas e o trabalho do dia seguinte.      

De modo geral, os Italianos foram bem assimilados pelos brasileiros, ao contrário de colonos de outras etnias. Benquistos em todas as terras, eles rapidamente se integraram às comunidades e no sistema produtivo.

 

Segunda Parte

Presente, Brasil e Itália

Esta parte do livro será dedicada, basicamente, à apresentação de receitas vênetas do Brasil e da Itália, com ilustrações e fotografias. Ao final, dois pequenos subcapítulos tratarão da vitivinicultura do Sul do Brasil e do Vêneto.

3) A culinária vêneta, hoje, no Brasil, não está só presente no dia-a-dia das famílias de seus descentes italianos. É uma cozinha muito conhecida e apreciada pelos brasileiros. Tanto nos restaurantes e casas especializadas de comidas típicas como em restaurantes internacionais, lojas de delicatessen e no comércio em geral. Os costumes e o jeito alegre deste povo e de seus descendentes continuam sendo transmitidos às novas gerações, no Brasil.

Nesta parte, o livro pretende apresentar com ilustrações e fotografias as principais receitas, condimentos e ingredientes que mais representam a tradição histórica destes imigrantes e seus descendentes.

Os pratos típicos mais conhecidos no Brasil são: brodo (caldo de carne); carne Lessa (carne cozida n'agua); menestra ou Aminestra (sopa, canja); cappeletti (massa com recheio de carne moída), o mesmo que agnolini; ravióli (massa com recheio); tortéi (pastel cozido recheado com moranga ou abóbora); macarôn (massa em geral); fidelini (massa fina); gnocchi; lasagna; galeto a menarôsto (frango no espeto); risotto (arroz com galinha e queijo ralado); passarinhos de panela; polenta de vários tipos; pêra cruz (bolo fervido em calda de frutas); pães de trigo e milho; panetones (pão com frutas cristalizadas).

Além disso, serão apresentados pratos contemporâneos, com base na tradição vêneta, criados por chefs da atualidade, que vivem no Brasil.

4) O livro apresentará, também, pratos do Norte da Itália, por exemplo, que têm como base peixes frescos e frutos do mar vindos do lago de Garda e do mar Adriático. Produtos da estação, como abobrinhas, ervilhas, aspargos e o radicchio, ao lado de carnes e queijos, que completam os cardápios.

Apesar de estarem os pratos de massa em todo o Vêneto, a polenta e os diversos tipos de risotto são as receitas mais típicas. As influências de países vizinhos e parceiros comerciais, além dos costumes das outras regiões do país, podem ser experimentadas nos pratos agridoces, bem temperados ou picantes.

Eis aqui alguns exemplos típicos da cozinha do Vêneto: radicchio alla griglia  (prato de folhas de endívia vermelha de Treviso, ligeiramente amarga e grelhadas); antipasto de frutti di mare (reúne frutos do mar, temperados com azeite de oliva e limão (é um dos pratos favoritos em Veneza, onde os ingredientes chegam frescos do mar Adriático); fiori de zucchini (flores de abobrinhas, muito deliciosas, recheadas com musse de peixe e fritas em uma massa leve); brodo di pesce (sopa de peixes temperada com açafrão); risi e bisi (risoto leve e empapado - quase um creme feito com arroz, ervilhas frescas e pedacinhos de bacon); polenta (como as massas, é básica na cozinha italiana; geralmente é grelhada e servida com molho); sarde in saor (tradicional prato veneziano de sardinhas frescas grelhadas, marinadas com molho agridoce); spaghetti alle vongole (massa com mexilhões e molho picante de pimenta vermelha); fegato alla veneziana (tradicional especialidade veneziana. Trata-se de fígado de novilho cozido com cebolas).

 

Vitivinucultura no Sul do Brasil e no Vêneto

O vinho faz parte da vida e da cultura, no Brasil e na Itália. É uma bebida bastante desenvolvida na região do Vêneto e está alcançando um grau elevado no Sul do Brasil. O livro vai fazer um resumo da história do vinho e das tradições de cultura e de consumo desta bebida milenar, nessas duas regiões. Vai mostrar como sobrevivem os produtores artesanais, a atual indústria e as tendências para o futuro.

O Vêneto produz grande quantidade e variedade de vinhos de consumo diário - tinto, brancos e rosés. Além de célebres vinhos tops de linha, com fama internacional, que hoje são exportados para o mundo todo.


A Esplendor reúne profissionais da área das letras, jornalismo e cultura, com o objetivo de dar maior conteúdo  para projetos de livros, cinema e outro audiovisuais.  


Um projeto como Culinária Vêneta, Brasil e Itália - Passado e Presente representará com certeza o melhor da cultura da culinária vêneta, no Brasil e na Itália. É a primeira vez, no Brasil e na Itália, que se apresenta um projeto dessa abrangência, tratando desta gastronomia de tradição. Por isso, acreditamos que o livro e o DVD terão grande repercussão não só nas esferas das comunidades italianas e de seus descendentes, mas em âmbito geral, porque abordará culturas e tradições que hoje são muito populares, no Brasil, na Itália e outras regiões do mundo.

O projeto contará com assessoria de imprensa durante as fases de produção, execução e realização e difusão. Portanto, a imagem da empresa estará sendo sempre divulgada em todas as etapas do projeto, através de jornais, revistas, rádio e televisão.

Tudo isso, naturalmente, vai valorizar o nome e o papel institucional da empresa, de seus diretores e funcionários.


voltar

Confira algumas imagens do video.

culinaria veneta 1
culinaria veneta 2
culinaria veneta 3
culinaria veneta 4
culinaria veneta 5
culinaria veneta 6
culinaria veneta 7
culinaria veneta 9
culinaria veneta 10
culinaria veneta 11
culinaria veneta 12
culinaria veneta 13
culinaria veneta 14